Bullying- Parte 2

22 abr

Percebi que este assunto teve grande acesso e algumas pessoas vieram me perguntar se eu realmente sofri bullying e contar minhas experiências.

Sim, realmente sofri e ainda sofro. E como ja disse, a enorme parte vem de pessoas que nunca me dirigiram meia dúzia de palavras.

Me lembro que começou quando eu tinha uns 5 anos de idade, quando fui para uma escola municipal (não estou criticando a rede pública de ensino, maior parte dos casos aconteceu na rede particular, como vocês irão ver mais pra frente). Sempre fui quietinha,mas gostava de fazer amizades. Tentei me enturmar com as outras crianças, mas todas me deixavam de lado. Na hora do intervalo, eu sentava sozinha para lanchar. E até mesmo o meu lanche era motivo de riso. Um simples pão doce com creme era chamado de ‘pão-de-meleca” pelos meninos. E eu ficava incomodada com isso e parava de comer. As meninas criavam apelidos pra mim, e eu não fazia nada por medo. Até que um dia,uma das meninas disse que iria ‘pegar a arma do tio dela para me matar’. Contei para minha mãe, que conversou com a diretora da escola, que nada fez. Resultado: fui trocada de escola.

Isso é algo que me revolta. Quem sofre danos tem que sair. Não acredito muito na teoria do “os incomodados que se mudem”.

Quando fui para a 5ª série do fundamental (atual 6º ano), fui para uma escola particular. Eu tinha 11 anos e estava no começo da puberdade. Cabelo feio, aparelho nos dentes, espinhas por toda parte. Isso foi motivo de apelidos vindo da parte dos meninos e de uma turminha, que era considerada a ‘mais legal da sala’. E, na minha cabeça, eu devia seguir o ‘exemplo’ dessa turminha, tinha q fazer de tudo pra ser aceita por ela. Eu abri mão de muita coisa pra seguir essa idiotice. Eu dei abertura para o bullying que sofria, deixava que elas zombassem de mim, porque achava que assim seria aceita. Foi assim por um tempo, até que um dia, este grupinho fez uma musica totalmente pornográfica envolvendo meu nome e o nome de um garoto.Na hora,eu ri, porque sempre que fico nervosa ou com raiva começo a rir (poisé, estraha…). Mas quando cheguei em casa, me senti suja, por aquela musiquinha idiota estar na boca de todo mundo, falando de sexo, e eu tinha uns 13 anos, a fase que a gente morre de nojo de sexo. Minha mãe percebeu que eu estava estranha e perguntou o que estava acontecendo. Não tive coragem de cantar a musica pra ela. Então, ela pediu para que eu escrevesse num papel a letra da música. As meninas depois de uns dias me pediram desculpa pela musica e pararam de cantar. Mas e a memória que eu tinha sempre na minha cabeça daquilo? Não ia ser apagada tão cedo.

Sofri bullying quando fiz jazz nessa mesma escola. Me excluíam por eu não ser ‘tão boa’,talvez. E isso doía muito. Mas serviu de incentivo pra que eu treinasse cada vez mais. E esse esforço me deu uma bolsa integral na academia de dança que sempre quis entrar, e onde fui aceita com os braços abertos, onde recebi ajuda nas dificuldades, e não exclusão.

Com a chegada do ensino médio, as ofensas ficam mais sérias, e veem de pessoas próximas. Eu recebia mensagens anonimas no meu celular com ofensas, dizendo que eu tinha muitas espinhas, ou que estava engordando, ficando feia. Eu já sabia de todas essas coisas e isso me doía muito, principalmente quando faziam questão de ficar martelando isso na minha cabeça. E foi ainda pior quando eu descobri de onde vinham. Doeu o triplo.

Nessa fase, eu sofria ofensas na escola, apelidos, risadas, pessoas olhando torto, falando que eu era ‘esquisitinha’. E pessoas que eu sempre julguei como legais. O auge foi quando em uma segunda feira, na sala de aula, olhei para a parede e vi escrito em letras garrafais: ” THAÍS CHAVES GORDA!”. Apenas eu e mais duas amigas vimos. Falaram para eu fotografar,mostrar ao diretor da escola. Mas eu me senti tão mal naquele momento, que minha única reação foi pedir minhas amigas para apagarem aquilo, não queria que ninguém mais visse.Hoje me arrependo de não ter tomado alguma providência a respeito.Mas naquele momento, não queria causar alarde, tinha medo de saber quem era e ter mais uma decepção.

Quando criei o blog, mais risadinhas aconteceram. E o pior, vieram de gente próxima de mim. Zombando de mim por eu ter um blog, rindo, ridicularizando, como se o que eu fizesse fosse algo hiper errado. E o pior,as pessoas tem a coragem de chegar na sua cara e perguntar “e o blog, como ta?”,para poder rir da sua cara quando você saísse de perto.

Na faculdade, sofre bullying novamente relacionado ao blog, debochando de posts e videos antigos. E a pessoa ainda fez questão de me expor ao ridículo em rede social,para mais de 3 mil pessoas que curtem a página. Mas a própria cara não teve dignidade de expor. Daí me pergunto: por que me expor assim,ao ridiculo, sendo que nunca fiz nada de mal a ninguém? Isso não é justo! E não digo só porque aconteceu comigo, mas com qualquer pessoa, não é justo!

Eu costumava a acreditar que as pessoas realmente tinham razão. Que eu devia mudar meu jeito, devia mudar meu visual. Mas parei pra pensar e percebi que quem ta errada não sou eu, porque grande parte das pessoas que falam essas coisas não me conhecem, não sabem minha essência, me julgam. Eu perdi a confiança no ser humano. Tenho a impressão que estão sempre rindo de mim.E é por isso que eu prefiro ter poucas amizades. São pessoas que sei que realmente me conhecem e gostam de mim assim. E enquanto ao blog,já pensei em parar. Mas eu não posso deixar que comentários idiotas me afetem. Sei que não agrado a todos, mas agrado a uma quantidade que me parece boa. E porque o fato de EU escrever é ridículo? Pelo fato de eu ser um ‘esteriótipo’ de loira burra? Este blog é pra desabafar, exercitar uma paixão,expor minha opinião e também porque sei que meus posts podem ajudar alguém, em algum lugar, alum momento.

Pode parecer que estou dando grande importância ao assunto. Mas eu não acho justo que isso continue ocorrendo. Eu quero que pessoas que passam pelo mesmo que eu leiam e tirem alguma lição. Quero que vejam que não estão erradas em ser quem são. Quero que alguém leia este post e se sinta tocado, perceba que o que faz é errado, saber o real impacto que o bullying tem na vida de uma pessoa. E contei minhas histórias verdadeiras, sem medo, pois quero que se alguém que fez parte de alguma delas ler, veja que me machucou e me marcou negativamente.

No bullying, o ‘esquisitinho’ é quem faz, não quem recebe.

 

Imagem

 

Bullying

13 abr

Resolvi falar um pouco sobre esse assunto, pois vem me causando indignação há algum tempo.

Sinceramente, eu não consigo entender o que leva uma pessoa a gastar tanto tempo se preocupando com o que o outro faz ,com a aparência do outro, com as atitudes de outro. No fundo, acredito que isso seja uma admiração adormecida, ja que leva o indivíduo a ter tanta dedicação ao outro.

Características físicas não são culpa da pessoa. Doença não é culpa da pessoa. Orientação sexual não é culpa de pessoa. Mas o que leva alguém a se preocupar tanto com o outro de modo prejudicial? Quantas vezes ouvi comentários como: “tinha que ser ele, coisa de gordo isso ai!” “tinha que ser preto” “Como eu queria poder matar todos os viados do mundo” “Essa menina é ridícula, tosca, deixa ela de lado.”. 

Eu sofri muito bullying durante minha vida e achei que quando chegasse na faculdade, começaria a conviver com gente madura e esse problema iria acabar. Mero engano. As ofensas e julgamentos continuaram, de modo ridículo. E o pior, vêm de pessoas que nem me conhecem, com quem nem convivo, com quem nunca troquei meia dúzia de palavras. E, pelo incrível que pareça, vem de pessoas que se dizem “intelectuais” e “cultas”. E o respeito, onde fica? Cada um é de um jeito. Cada um gosta de uma coisa. Gosto não define caráter. O fato de você ler,por exemplo, livros de filósofos do século passado não te faz melhor que ninguém. Ao mesmo tempo que ouvir funk e ter um blog de ‘moda’ não te faz menor ou menos esperto. 

E um dos bullyings mais baixos é o virtual, onde a pessoa se esconde atrás de um perfil falso pra criticar,ofender, humilhar. Cadê a dignidade de falar na cara? Eu tenho esse blog para expor minha opinião, mostro minha cara, seja pra rirem, seja pra gostarem. Isso é mais digno. E acho que se uma pessoa perde o tempo dela para ofender alguém via internet, tem na verdade uma pontinha de inveja do ‘ofendido’. É uma perda de tempo desnecessária demais.

As pessoas orientam a ignorar as ofensas. Mas, no fundo, sinto que ignorar não é a resposta. Se rebaixar ao mesmo nível e agressões físicas também não. Um olho no olho é bem melhor. Se preocupar demais com isso também não é bacana. Uma coisa que aprendi nesse tempo é que ficar se preocupando com o que os outros que nem te conhecem pensam de você é bobagem,perda de tempo. VOCÊ sabe quem você é de verdade, seus amigos de verdade sabem e gostam de você assim. Não se preocupe com opinião de gente baixa que nem te conhece pra poder falar. Mas lembre sempre que, quando muito abusivo e com consequências sérias, providências devem ser tomadas já que BULLYING É CRIME!

E um recado para você que se preocupa tanto em julgar e ofender os outros: Cresça! Gaste seu tempo com coisas saudáveis. Amadureça! Não dói e nem vai te fazer pior que ninguém. Coloque-se no lugar do outro e pense se gostaria que acontecesse com você.

 

http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2012/05/28/2018bullying2019-pode-virar-crime-com-pena-de-ate-quatro-anos-de-prisao

Novidade!

16 mar

Olá!

Já tem um tempo que quero postar a respeito desse assunto,e creio que será o enfoque maior do blog daqui pra frente. Sim, estou com certo receio de postar sobre,embora todos me digam que já é seguro,mas nunca se sabe!

Então, vamos lá! 

Eu fui pré selecionada para um intercâmbio de 18 meses nos EUA! 

É um sonho enorme que tenho desde criança, mas nunca tive condições de realizar. Daí me surgiu a oportunidade do programa do governo Ciência sem fronteiras e me inscrevi. Passei por todas as homologações, consegui a nota na prova de inglês e agora estou esperando a carta de aceitação da universidade americana, que só receberei a partir de Maio.

Pra quem também está participando do programa, estou no grupo 3. 

A previsão do início das atividades do meu grupo é agosto desse ano e vai até dezembro do ano que vem. Vou fazer 6 meses de inglês e 12 meses de curso. 

Esta oportunidade vai ser ótima,pois como faço Ciências Biológicas, poderei conhecer espécies de um outro país. Tenho a intenção de aprofundar meus estudos em mamíferos,paleontologia e ciências forenses, que é uma área forte lá.

As universidades que escolhi foram:

  •  University of Califórnia, Davis
  • Purdue University, Indiana
  • Ohio University

Porém pode ser que eu seja aceita por uma universidade que não seja as três acima.

Quero compartilhar aqui todas as experiências, dar dicas para quem tem a intenção de se inscrever no programa e contar as novidades.

Conto com a torcida de vocês!

 

 

Cada um no seu quadrado!

12 mar

Olá! Estou de volta, mas o blog terá um foco diferente. Seria muita hipocrisia minha continuar com o modo que estava tendo como sub-título do blog “talking about a real girl”, sendo que esta não era eu de verdade. Não vivo pra comprar maquiagem, testar, ficar exibindo roupas. Essa não sou eu.

O motivo de eu ter ficado tanto tempo sem postar foi a falta de tempo e de empolgação. Sim, falta de empolgação. É terrível você gastar seu tempo com algo, se dedicar, tentar transmitir alguma coisa e simplesmente rirem disso tudo. Mas só queria deixar claro pra vocês, que entram no meu blog só pra rir e criticar que, um blog ,quanto mais views tem, mais é divulgado e assim, mais cresce. Então obrigada pela contribuição!

Mas o meu post de hoje é realmente sobre isso: gente de mente pequena e fechada.

Desde que mudei de cidade e de realidade, comecei a ver as coisas com outros olhos. Coisas que sempre foram me passadas como erradas, hoje encaro como normais. Porque realmente são. Não entendo porque as pessoas gastam tanta energia se preocupando em julgar, principalmente quando se trata da vida dos outros. É o que diz aquela frase clichê-mas verdadeira- de Facebook: Deus deu uma vida pra cada um não é atoa. Cada um cuida da sua. De verdade, já passo tanto tempo preocupada comigo mesma, ainda vou perder tempo criticando e julgando OUTRA pessoa? Cada um faz suas escolhas, já sabendo das consequências. Se uma pessoa fuma, é porque ela sabe das consequências que ELA sofrerá. Agora, gastar energia pra ficar criticando, xingando e tentando descobrir o conteúdo do fumo dessa pessoa, pra quê? No dia que o fumo de alguém estiver me dando câncer de pulmão, ai sim, irei falar com essa pessoa pra parar. São pequenas coisas que a gente para de dar importância que vão nos deixando até mais leves.

Cigarro, bebida,relações sexuais, jeito de vestir, orientação sexual, estilo musical, nada disso define caráter. Escutar Rock não te torna mais inteligente ou melhor que alguém que goste de,por exemplo, pagode e funk. As pessoas são livres pra escutarem o que querem. Eu,por exemplo, tenho mais AFINIDADE por rock alternativo. Mas isso não me impede de gostar de musica eletrônica,pagode, axé, funk,samba. JAMAIS deixaria de me divertir porquê estava tocando um estilo musical que não é o meu favorito. É uma questão de ser tolerante. É curtir do David Bowie á Valesca Popozuda sem se sentir menor. Muitas pessoas me olham torto quando eu digo que curto bastante a Valesca, e me perguntam: “ué, sempre achei q você gostasse de rock.” Sim,eu gosto, mas isso não me impede de gostar de outras coisas. 

 

Para concluir, não estou aqui revoltada, querendo bater de frente com ninguém. Estou expondo uma opinião, o que todos têm direito. Só quis expor uma atitude de muitas pessoas que vem me incomodando e que resolvi não deixar me afetar mais. Se você achou esse post um absurdo, repense alguns conceitos. E se você achou ridículo, mais uma vez agradeço por mais um view e por ajudar no desenvolvimento do blog. e só um recado: Não aponte com o dedo sujo, é muito mais feio.

 

“I don’t need your opinion
I’m not waiting for your ok
I’ll never be perfect, but at least now I’m brave”

                                        Brand new me- Alicia Keys

 

Motivo do meu sumiço

9 maio

Olá pessoal! estou e falta com vocês, eu sei, mas é que a minha vida tá a maior correria. Vou me mudar amanhã, mas ja estou na correria organizando e resolvendo as coisas há um tempão.

Domingo passado fui á Viçosa fazer a prova do CAPES/Cnpq e aproveitamos pra já levar algumas coisas pro apartamento e dar uma arrumadinha.

Essa semana arrumei minhas malas, meu guarda-roupas está praticamente vazio!

Imagem

Enfim, amanhã estou de partida! Esse final de semana fica meio complicado pra eu fazer post, mas segunda feira vou fazer um vlog mostrando meu primeiro dia de aula!

Depois que tudo se normalizar, o blog volta a todo vapor!

 

Beijoos, e até mais!

Look do dia: Cropped e saruel.

22 abr

olá pessoal!

Usei esse look sábado a noite, Estava friozinho então aproveitei pra usar essa blusa, que é bem grossa.

Imagem

 

A calça saruel acho bem confortável e despojada. Apostei na sandália vermelha pra dar uma cor no look.

Imagem

Meu cabelo eu está natural, so prendi em dois coquinhos pra poder dar mais definição nas ondas. Depois ensino a fazer em vídeo.

Detalhes:

Imagem

 

Imagem

 

Make usando a paletinha da disney:

ImagemImagem

 

Blusa: Zoobmarine

Calça: Bianco ville

Sandália: Melissa

 

PS: A pulseira do meio fui eu que fiz, já já tem Video ensinando a fazer!

 

Beijinhos!

 

Resenha: mini paleta de sombras Disney

20 abr

Olá pessoal!

Hoje fiz comprinha pro apê em uma lojinha de 1,99 e acabei encontrando essa paletinha por apenas 3,50! tinha várias cores lindas, mas essa me chamou mais a atenção, depois pretendo comprar outras.                        

Imagem

 Essa é da jasmine, mas tem das outras princesas.

Imagem

 A roxa e a rosa são matte, ja a amarela e a verde são cintilantes.

Imagem

 Swatches

duração e a textura são ótimas. E pelo preço me surpreendeu. Super achadinho. Pretendo comprar outras para testar. Aprovado!